Hipismo: modalidade esportiva de ouro para o Brasil

O sucesso do Hipismo no Brasil
A importância do Hipismo em nosso país – Crédito da Imagem: http://www.revistaendorfina.com.br

O post de hoje vamos falar do hipismo, outro esporte em que os atletas têm os cavalos como companheiros de competição. Além de conhecer o esporte, vamos falar dos atletas brasileiros que se destacam no esporte. Continue lendo para saber mais.

O que é hipismo

O hipismo é um esporte olímpico em que os competidores são cavaleiros e amazonas que domam seus cavalos ou éguas. Existem três modalidades: salto, adestramento e concurso completo de equitação. Este último é composto por salto, adestramento e uma prova em circuito natural chamada de cross-country. A modalidade de salto pode ser individual ou por equipe, em que os resultados individuais são somados.

História do hipismo no Brasil

O ano de 1641 entrou na história como a primeira vez que o hipismo foi praticado no Brasil. O local foi Maurícea, conhecido atualmente como Recife. A iniciativa aconteceu por causa do holandês Nassau, que ficou nessa região do Brasil por alguns anos.

Nos séculos XVIII e XIX, a parte rica da população participava de provas de hipismo nas areias da praia de Botafogo, no Rio de Janeiro (RJ), exatamente nos momentos em que a maré permitia. No começo do século XIX, as competições de hipismo passaram a ser oficiais no Clube de Corridas.

Em 9 de junho de 1854 foi criado o Jockey Club Fluminense, no Rio de Janeiro (RJ). Em São Paulo (SP), no ano de 1875 foi criado o Clube de Corridas Paulistano, que se tornou Jockey Club da Mooca e hoje em dia é conhecido como Club de São Paulo.

Mais tarde em 1941, a cidade do Rio de Janeiro (RJ) formou a Confederação Brasileira de Hipismo (CBH). O órgão é o grande responsável pela criação e aplicação da regulamentação do esporte, pela coordenação e pela promoção publicitária e promoção para ganhar novos competidores. Além disso, o órgão também deve promover e divulgar os 8 esportes hípicos executados no Brasil: o adestramento, a atrelagem, o concurso completo de equitação, o enduro, a equitação especial (paraequestre), as rédeas, o volteio e o salto.

Vale lembrar que a primeira participação do Brasil em uma competição no exterior foi em 1942, no Chile, aqui na América do Sul.

Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos

 Na modalidade saltos por equipe o Brasil ficou com o 3º lugar nos jogos olímpicos de Atlanta em 1996, nos Estados Unidos, e em Sydney em 2000, na Austrália. A equipe de cavaleiros que conseguiu os feitos foi a mesma: Luiz Felipe de Azevedo, Álvaro Miranda Neto, André Johannpeter e Rodrigo Pessoa. Os cavalos se alteram. Em 1996 a equipe de cavalos e éguas era composta por Cassiana, Aspen, Calei e Tomboy. Já em Sydney, a equipe de animais era composta por Ralph, Aspen, Calei e Baloubet du Rouet.

Na modalidade de salto individual, Rodrigo Pessoa é a estrela brasileira única a ganhar medalha de ouro. Ele e seu cavalo Baloubet du Rouet ganharam o primeiro lugar nas Olimpíadas de Atenas no ano de 2004. Só que essa conquista não foi fácil para o Rodrigo. No momento da premiação durante o evento ele ganhou o segundo lugar, ou seja, a medalha de prata.

A polêmica aconteceu quando Comitê Olímpico Internacional (COI) resolveu investigar as medalhas. O COI descobriu que o vencedor do ouro, o irlandês Cian O’Connor, fez uso de tranquilizantes na sua égua Waterford Crystal. Após a égua de o irlandês ser pego no exame de antidoping, Rodrigo Pessoa herdou o primeiro lugar.

A premiação tardia aconteceu no dia 29 de agosto de 2005 em uma cerimônia no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, e teve a presença do presidente do COI, o belga Jacques Rogge, e do presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman. Além disso, Rodrigo contou com a presença de familiares e amigos para comemorar essa conquista com ele.

Curiosidade: outros 9 atletas brasileiros também tiveram a oportunidade de participar de uma nova cerimônia de premiação, só que dessa vez referente aos Jogos Pan-americanos Santo Domingo de 2003.

Esporte sem diferença de gênero

O hipismo é um dos únicos esportes olímpicos em que é possível encontrar mulheres e homens competindo no mesmo nível e nas mesmas provas.

Tanto a amazona quanto o cavaleiro devem se esforçar ao máximo nos treinamentos com o cavalo. São praticamente 2 anos de muito trabalho duro entre o cavalo e o competidor ou competidora. No fim das contas, o esportista e o equino formam uma equipe. Nesse esporte a diferença física entre homens e mulheres tem pouca influência já que o controle e a sintonia com o cavalos são as habilidades que contam.

Curiosidade: a vela é outro esporte em que mulheres e homens podem competir na mesma categoria. Porém, vale lembrar que as vantagens físicas dos homens podem influenciar nos resultados. Por isso, é mais comum encontrar mulheres em provas em que só há mulheres ou em equipes.