Quais São os Tipos de Boi de Rodeio

Você conhece os tipos de boi de rodeio que mais despertam medo nos peões? A seguir, vamos falar a respeito de algumas raças que estão entre as favoritas dos criadores que investem pesado no aprimoramento genético dos bois para ter um animal saltador e difícil de encarar nas arenas. Preparado para conhecer melhor a origem de algumas das principais estrelas dos rodeios?

Tipos de Boi de Rodeio Que Mais Fazem Sucesso nas Arenas

O mercado de criação de bois para competições de rodeio tem crescido significativamente nos últimos anos, em especial devido ao desenvolvimento de novas técnicas de cruzamento de materiais genéticos, que permitem criar animais com mais força e inclinação para um bom desempenho frente aos peões cada vez mais preparados. Contudo, vale dizer que em alguns casos os bois “vira-lata” dão mais trabalho que os de raça.

Raça: Nelore

As características mais interessantes dessa raça são o fato de que ela é leve e seus ossos são finos, assim, consegue saltar mais alto e com mais facilidade. Essa raça é muito combinada com outras tradicionais, como Charolês e Simental. Um exemplo de Nelore “misturado” com Simental que deu muito certo nas arenas foi o boi Sistema, um dos maiores destaques dos rodeios de 2017.

Raça: Simental

Uma raça que se destaca por produzir animais musculosos, a Simental é muito utilizada ainda como gado leiteiro e de corte. Por sua envergadura repleta de músculos é um excelente espécime para as competições das arenas e ainda suporta bem o transporte até as festas do peão. Um dos animais mais icônicos das competições de rodeio era uma mistura de Simental e Nelore: o temido boi Bandido. A fama dele era tanta que se tornou até personagem da novela “América”, da Rede Globo.

Raça: Charolês

Da mesma forma que a raça Simental, a Charolês tem origem europeia e características físicas que a destacam entre os outros bois: sua pelagem é clara. Uma das combinações mais prestigiadas dentro das arenas é a de Charolês e Nelore que dá origem a animais rápidos, grandes e muito musculosos.

Um representante dessa raça que ficou famoso foi o boi Agressivo, que em seus tempos áureos rivalizou em fama com o Bandido. Para se ter uma ideia, em toda a sua carreira apenas dois peões conseguiram ficar os oito segundos e ele recebeu um total de 13 fivelas de ouro da PBR (Professional Bull Riders). O touro já é falecido.

Raça: Marchigiana

Embora seja uma raça conhecida nas arenas, não é das mais usadas, pois os bois marchigianos têm tendência a engordar rapidamente. No âmbito competitivo, destacam-se por seu peso e força,  sendo difícil vencê-lo quando começa a dar os “trancos” dos saltos. Um exemplar dessa raça era o famoso boi Pit Bull, do Paraná, que faleceu ao ser tragicamente atingido por um raio.

Criação

Ser de uma das raças apontadas acima não significa que o boi será um bom animal de arena. Isso depende, entre outras coisas, da forma como ele será criado e do treinamento para desempenhar o seu papel. A criação do touro de montaria inicia antes mesmo de ele nascer, com a escolha do material genético. Para se ter uma ideia, o sêmen de bois campeões podem chegar a R$ 10 mil.

Muitos criadores têm na comercialização do material genético uma das principais fontes de renda. Há pouco mais de uma década os bois de rodeio chegavam a pesar no máximo 800 kg, mas atualmente, com o aprimoramento genético, há espécimes com mais de 1 tonelada. Depois que o bezerro nasce são iniciados os treinamentos, que incluem a utilização de cowboys mecânicos, instruções de salto, coices, entre outros.

O animal precisa chegar às arenas sabendo exatamente o que tem de fazer quando a porteira for aberta. As experimentações do animal nas arenas podem começar aos dois anos e meio, contudo, ele poderá competir oficialmente somente a partir dos quatro anos. É essencial avaliar características de coice, salto e dificuldade de pulo. O esporte ganha com o fato de os animais estarem mais fortes e ágeis, assim como os peões precisam se preparar mais para desafios instigantes.

Treinamento

Para manter os bois de rodeio em alto rendimento por mais tempo os criadores empregam uma rotina de treinamentos. Os animais realizam atividades físicas como caminhadas, natação e exercícios de fortalecimento, além de receberem alimentação balanceada e visitas regulares de um veterinário. Os bois famosos nas arenas têm tratamento VIP de verdadeiras estrelas, pois de sua saúde e boa vontade dependem os resultados. Muitos espectadores vão assistir às competições para ver os animais de pertinho.

Gostou de conhecer mais sobre as raças de bois mais utilizadas nas competições de rodeio?