A origem do Sertanejo

A origem do Sertanejo

Quem gosta das músicas sertanejas atuais talvez não conheça a origem do sertanejo, que remonta ao início do século passado. É uma história muito interessante que nos ajuda a compreender como o estilo musical foi se transformando ao longo das décadas, passando por uma fase romântica, nos anos 90, e tornando-se a trilha sonora das baladas atuais. Confira uma linha do tempo das músicas mais famosas desse estilo e fique por dentro dessa história.

A origem do Sertanejo – conheça a história através de suas músicas mais famosas

Quem assiste aos super produzidos clipes sertanejos dos dias de hoje pode achar curioso que há algumas décadas essa música era conhecida como música caipira e seu tema era a vida do homem do campo. Todos os momentos dessa história ajudaram a consolidar o estilo e a torná-lo o que é.

Primeiras décadas de 1900 – origens e a primeira música do estilo

Embora oficialmente a primeira música sertaneja tenha sido gravada em 1929, por Cornélio Pires, o estilo vem sendo desenvolvido desde 1910, influenciado por diferentes movimentos musicais: emboladas, fado português e modas. A primeira moda de viola gravada em nosso país foi de “Jorginho do Sertão”. Faz parte do folclore de São Paulo e ganhou uma versão de modão por Cornélio Pires.

Outros nomes que ganharam projeção nessa época na música caipira foram Torres e Florêncio, Vieira e Vieirinha, Alvarenga e Ranchinho e Tonico e Tinoco. Nos tempos atuais, uma das principais divulgadoras da música sertaneja raiz era Inezita Barroso em seu programa “Viola minha viola”. Inezita faleceu em 8 de março de 2015.

A seguir, ouça “Sertão do Laranjinha”, com Tonico e Tinoco, um dos clássicos do sertanejo raiz.

Dos anos 1940 aos anos 1970 – transição para o sertanejo moderno

A primeira fase do sertanejo tinha profunda relação com o homem do campo, que inclusive lhe deu o nome do estilo, já que o sertanejo é aquele que vem do sertão, região afastada dos grandes centros urbanos. Nessa segunda fase iniciada após o fim da Segunda Guerra Mundial já podemos identificar a adição de elementos cosmopolitas à música caipira.

Os artistas do gênero passaram a incluir em suas canções outros instrumentos como harpa e acordeão, assim como influências da polca europeia. Em 1956 aconteceu a primeira edição da Festa do Peão de Barretos, e já em 1957 a primeira dupla sertaneja, Torres e Florêncio, se apresentou. Alguns dos nomes que ganharam destaque nesse período foram Irmãs Galvão, Irmãs Castro e Cascatinha e Inhana.

“Beijinho Doce” é um dos grandes clássicos da música sertaneja, confira primeiro a versão das Irmãs Galvão e depois da versão das Irmãs Castro.

Na década de 70 surgiu a dupla Milionário e José Rico, que recebeu a alcunha de “pais do sertanejo moderno” pois investiu em outros instrumentos para as suas canções, como violinos e trompetes. Foi uma fase em que o sertanejo passou a incorporar outros estilos musicais, como também é o caso de Tião Carreiro, que misturava o samba.

A canção “O último julgamento” é uma das mais marcantes da trajetória de sucesso de Milionário e José Rico.

Dos anos 70 ao começo dos 2000 – a era do sertanejo romântico

No final da década de 1960 os músicos brasileiros sofriam grande influência da música norte-americana, e a dupla Léo Canhoto e Robertinho incluiu a guitarra elétrica de Elvis Presley em suas canções. Outro nome que colaborou nessa mescla de estilos foi Sérgio Reis, que iniciou no movimento da Jovem Guarda, mas em poucos anos já usava figurino que remetia aos cowboys de filmes de faroeste e se dedicava a canções como “Coração de papel” que pendiam para o sertanejo.

Gravação de “Coração de papel” de Sérgio Reis

https://www.youtube.com/watch?v=rcX3zsYpY2U

Essa modernização das músicas sertaneja deixou o estilo mais receptivo para as rádios FM e trouxe um número maior de fãs do gênero. A década de 80 marcou o ápice da fase comercial do sertanejo romântico, com destaques para duplas como Chitãozinho e Xororó, Zezé di Camargo e Luciano, Leandro e Leonardo, João Mineiro e Marciano, Rick e Renner, João Paulo e Daniel, além de artistas solo, como Roberta Miranda.

A dupla Chitãozinho e Xororó teve papel muito importante para levar a música sertaneja para as rádios FM, com músicas como “Fio de cabelo” e “Evidências”.

Outro clássico dessa fase romântica foi “Entre tapas e beijos”, de Leandro e Leonardo.

Embora a tendência de sucesso fossem as músicas românticas, alguns nomes se mantiveram mais próximos da música caipira como Pena Branca e Xavantinho, o sofisticado violeiro Almir Sater, Roberto Correa e outros. Ainda hoje existe uma discussão sobre a necessidade de valorizar o estilo de moda de viola.

Ouça a canção “Tocando em frente”, de Almir Sater:

Anos 2000 – Sertanejo Universitário

Depois de acompanhar a trajetória do sertanejo, chegamos ao momento em que o estilo ganhou contornos modernos falando sobre jovens da cidade grande, festas e conquistas. Essa mudança acompanha a mudança do estilo de vida das famílias do interior do país: hoje em dia os filhos e netos dos homens e mulheres do campo vão estudar nas universidades das capitais, um dos motivos para o nome do estilo ser universitário.

Nesse movimento se destacam artistas como Gusttavo Lima, Luan Santana, Lucas Lucco, Henrique e Juliano, Matheus e Kauan, Israel Novaes, Michel Teló, Fernando e Sorocaba, João Neto e Frederico, entre outros. Já estão surgindo inclusive novas vertentes dentro desse estilo, como o feminejo, em que as estrelas são cantoras como Marília Mendonça, Naiara Azevedo e as duplas Simone e Simaria e Maiara e Maraisa.

Uma das músicas de Gusttavo Lima ajudaram a colocá-lo em destaque foi “Balada” (Tchê Tchê Rere)

A canção “Ai se eu te pego”, de Michel Teló, ganhou o mundo com versões em diferentes línguas e levou o sertanejo brasileiro para além de nossas fronteiras.

O hit “Meu violão e nosso cachorro” tornaram Simone e Simaria conhecidas em todo o país.

Uma das músicas mais tocadas nas rádios nos últimos anos é “Amante não tem lar” de Marília Mendonça.

E o que dizer de “50 reais” de Naiara Azevedo, uma das músicas mais cantadas no Brasil?

Confira as músicas sertanejas mais tocadas do momento aqui.